Seja Bem- Vindo!!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Mensagem do Pe. Gil

No dia 21 de abril, na Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, Alto da Boa Vista (antigo Pacheco) me deparei com um grupo de quase 70 jovens, numa manhã ensolarada, de um dia feriado (21 de abril) participando de uma manha de aprofundamento com os palestrantes Ocimar Barbosa e Profº Marilene, ambos do GED de Ilhéus. Estava eu lá, presente fazendo a oração inicial e lá, no meu canto, fiquei matutando: o que leva 70 jovens tipo Débora, Danuzinha, Ursinho, Adriene, Matheus, Dino, Valdir (o grande futuro bacharel em direito) e tantos outros para uma manha de reflexão e de aprofundamento sobre o Cursilho, seus objetivos, suas prospectivas e suas perspectivas e outros mais assuntos ? Qual é a lógica, filosófica ou não, que " estimulou e, certamente, continuará estimulando estes nossos irmãos mais novos para que se dediquem a ser "missionários e discípulos gratuitos do Senhor, de uma forma tão contagiante ?

Creio, para os que lerão estas "palavras", que a lógica maior vem de Deus:"Porei meu Espírito sobre vós e vós falareis de mim a todas as nações", diz o profeta. E, mais que isto: há uma veemência de entusiasmo em grande maioria daqueles jovens, irrequietos, buliçosos, tremendamente críticos (de consciência crítica) e que se tornam, ao meu ver, verdadeiros "caminhantes em torno de Jesus e dos seus ensinamentos", certos de que a "missão de todos nós, cristãos ou de homens e mulheres de boa vontade, é a de tornar conhecido o nome de Jesus e de "renovar a face da terra", seja por nossas atitudes, por nosso testemunho ou por nossa vontade mostrar que "ainda é possível fazer novas todas as coisas", como nos fala o Apocalipse de João.

O certo é que, nesta manhã, descubro mais uma vez que "o Espírito do Senhor está sobre nós e Ele nos manda, porque somos ungidos por Ele, a anunciar a Boa Nova da Salvação com todos os "ranços" que esta Palavra tem e nos "seduz".

Rejeito qualquer tipo de conjecturas contra os jovens.Seio-os, às vezes, cheios de "altos e baixos" (e não poderia ser diferente com este mundo adolescente = (adolescere, isto é, fazer crescer, buscar mudar ainda que, com eixos antagônicos).O importante é que, todos, nos seus vários níveis de sentimentos ou de educação, do seu jeito, tentam ver um mundo "com respostas das questões que eles se tem feito ou as tem feito ao mundo dos adultos.

Este Grupo específico do Cursilho de jovens (ainda que "no meio haja algum "grávido")certamente nos chama atenção a nós adultos: precisamos alargar espaços, dar-lhes oportunidades para que eles possam "deixar a graça de Deus acontecer e de uma forma gratuita, bonita, graciosa, firme, decidida (cf.Marquinho na mensagem de Graça no 84" Cursilho Masculino.)

Creio que o Relançamento do Cursilho, certamente, passa por aí e pode fazer a diferença. Não "se pode colocar remendo novos em panos velhos, certo; mas se pode colocar remendos novos no meio dos "mais usados" (na experiência) para que os "experientes" possam se "lambuzar" com os novos remendos." Acredito nisto e acredito mais que a explosão do universo dos jovens pode fazer florir uma nova Igreja, uma nova cidadania, uma nova etapa na caminhada do Cursilho que está, também em Ilhéus.

Fiquei feliz por aquela manha que não terminou nela.Ela precisa ser continuada na medida em que aqueles jovens, não importa se letrados ou não, possam exercer o papel de "embaixadores de Cristo", seus interpeladores, numa sociedade que exige, mata, assassina e não dá respaldo para tantos provarem que é "possível viver na paz mesmo provocando a luta."

Espero, e espero com desejo de coração, que aquela manha de coração possa ser tão forte quanto à "fofura do corpo sarado de Danilo", da musicalidade de Ursinho e de Pauilinho (PH), como riso terno de Débora, com a firmeza do nosso Coordenador ("duro, peró tierno - Che Guevara), com a expressão meiga e firme de Danuzinha, a vontade forte de Adriene, a responsabilidade de Valdir e de tantos outros e as expressões de tantos que fazem a grande corrente dos que se aninham no Cristo e n'Ele querem encontrar a resposta ou "as midiáticas informações do nosso elegante Franklin.

Um grande beijo no coração de todos e, agora, todos na luta, com Marlene, pela continuidade do Conselho Tutelar.

Pe. Gil - ITI

15 comentários:

Robson Magalhães disse...

Acho hiper interessante o que li. Fico feliz que o senhor Pe. Gil, pense e aja desta forma a respeito dos jovens cursilhistas em especial. Espero de coração que a Coordenação do GED,, verdadeiramente escute mais e procure sempre compreender os jovens antes de tomar as decisões relacionadas aos mesmos e que o Representante jovem (macro regional) (João Elias), possa um dia fazer uma reunião com os jovens do cursilho para nos falar sobre as deliberações de todas viagens que já fez e que o GED, além de ser informado pelo GEN sobre as mesmas, procure também saber do referido representante e repassar as informações aos jovens. Desejo que possamos um dia nos reunirmos e falar sobre os nossos anseios cursilhistas, sobre nossas experiências e também acerca das deliberações do GEN e do GER que por ventura ocorram voltadas para os jovens com o intuito de que o Representante macro regional as transmita e nos retorne as devidas respostas.
Fiquei também muito feliz com o Aprofundamento, muito contente com a apresentação de Ocimar pela técnica, embora tenha achado desnecessário algumas "alfinetadas", mas paciência, cada um se expressa da forma que lhe é cabível e isto deve ser respeitado. Achei interessante a participação de Profª. Marilene. Gostei da abertura que Osvaldo concedeu para que os jovens falassem (não me senti a vontade, mas no momento em que sentir que devo, farei as colocações que achar necessária).
Vale lembrar que pela dificuldade dos jovens participarem da Escola Vivencial, seja estimulado o trabalho de formação dentro dos grupos.
Ressalto que nunca me opus ao Movimento de Cursilhos, mas tenho todo direito de me opor à algumas decisões e espero que isto sempre seja respeitado, como princípio básico das relações humanas e prescrito na Carta Magna do Estado Democrático de Direito chamado Brasil - Artigo 5º, inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;C.F./88.
Robson Magalhães (Dioclinho)

27 de abril de 2010 06:50
Robson Magalhães disse...

Me perdoem alguns erros ortográficos e gramaticais, mas infelizmente postei o comentário sem efetuar a devida correção.

27 de abril de 2010 06:53
dan. disse...

Como São Paulo disse em sua carta aos Efésios: "Renovai sem cessar o sentimento de vossa alma".
E foi isso que aconteceu na manhã do dia 21 de abril na Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe.

Cerca de 70 jovens sedentos por beber da fonte da Palavra de Deus.
E tendo como pastor Pe. Gil, sempre sábio em suas colocações.

Faz-me feliz saber que podemos sempre contar com este tão querido Padre, sempre aberto e atento à juventude, nos pegando sempre pela mão e nos ajudando a encontrar o caminho certo para o encontro do Senhor.

Sempre "alargando espaços, dando-nos oportunidades para que possamos deixar a graça de Deus acontecer e de uma forma gratuita, bonita, graciosa, firme, decidida".

Acredito que falo em nome de todos os jovens (ou não) cursilhistas: Muito Obrigado Pe. Gil!

Sinto-me honrada por ser lembrada neste tão feliz relato.

Graça, Redenção e Paz.

27 de abril de 2010 19:07
João Elias disse...

Realmente foi um feriado de quarta-feira contagiante para todos, felizes são as palavras de pe. Gil em sua narrativa sobre mais esse encontro de aprofundamento que tivemos neste 21 de abril de 2010. Felicidade em ver a igrja de Nossa Senhora de Guadalupe quase que tomada em sua totalidade por aqueles sessenta e poucos jovens. É também um fator motivante para nós, jovens no movimento de cursilhos a um pouco mais de tempo, apreciarmos a prontidão dos mais recentes em relação ao Cristo salvador.
Vejo também que este é um passo inicial rumo a um tempo de maiores estudos e empenho da caminhada jovem cursilhista em nossa diocese. Primeiro passo rumo aos estudos que iniciaremos a partir de maio (no último sábado de cada mês), contemplando documentos da nossa igreja católica, espero que em especial os relacionados à juventude como o Doc. nº 85 da CNBB, que cerca de três anos atrás foi proposto de ser o fio condutor para a caminhada jovem no movimento e tal ocorrido foi repassado a todos os GED`s através de suas lideranças jovens por meio de apresentação presencial e/ou dissertativa.
Que nestes momomentos de estudo, onde também estaremos estudando documentos relacionados ao MCC, possamos esclarecer aos jovens um poco melhor como se apresenta a estrutura do movimento e o papel que cada nível possui dentro de sua estrutura organizacional. Que possamos também nessa oportunidade, mostrar "agora" aos nossos jovens o papel de um Representante Jovem (seja ele, diocesano, regional ou macro regional), que até o ano de 2009, até mesmo o GEN não possui um conceito definido sobre as responsabilidades dos mesmos. Definição essa, que veio tomar forma clara em nossa última Assembléia Nacional (novembro 2009) com a reforma do estatuto do movimento, que também todos os GED`s tiveram acesso através de seus regionais. Os representantes devem articular a participação jovem na referida instancia a que esteja atuando, bem como junto com o determinado nível (GEN, GER ou GED) traçar planos para mobilização e participação da juventude no movimento, sendo que, os informes de fato devem ser repassados pelos níveis que compõem a estrutura respeitando a hierarquia existente.
Acredito que com o estudo do novo estatuto muitos esclarecimentos também poderam ser realizados, além de preparar mais a fundo os nossos jovens acerca do movimento. Enfim, essa é uma chance que temos de aprimorar nossos conhecimentos a respeito desses assuntos bem como de muitos outros temas da nossa igreja cristã católica.

Abraço fraterno a todos.

João Elias (Ursinho)

29 de abril de 2010 20:20
Ocimar Barbosa disse...

Somente hoje tomei conhecimento dos comentários do lindo artigo do Pe. Gil, sobre o aprofundamento para os jovens realizado no dia 21 de abril próximo passado. Diante tão belo texto subscrito pelo estimado sacerdote, deparei-me com o comentário postado pelo jovem Robson Magalhães, onde o mesmo cita o meu nome como ÁSPERO CRÍTICO DESTRUIDOR, segundo as palavras publicadas: ALFINETADA MORDAZ, cujo significado, ou termo “xulo” encontramos facilmente no Aurélio da língua portuguesa. Face ao exposto, valho-me do mesmo direito com que faculta o inciso V do mesmo artigo 5º da Constituição Federal, para usufruir do direito de resposta.
Quero lembrar que mais importante do que o direito de manifestar o pensamento, é o direito da RAZÃO, lembrando que entre tais direitos estão : a sensatez, bom senso, coerência, prudência, e principalmente CONHECIMENTO DOS FATOS E RESPEITO à hierarquia de uma instituição, razão pela qual, permita-me discordar de seu raciocínio. Ressalto ainda, que a exposição por mim apresentada no retro mencionado aprofundamento, foi por solicitação da coordenação do GED, dentro do que pede e propõe o GEN, sendo utilizado os conteúdos do livro O Cursilho por dentro, Fundamentação do Cursilho ( Pré e Pós-Cursilho), Manuel do Coordenador,(elaborado pelo GEN), pasta do Coordenador (elaborado pelo GED), Encarte do livro revisado do Cursilho por Dentro e ainda o Livro Relançamento do Cursilho e Subsídios das Assembléias Regionais 2010. Tenho certeza de que se o jovem tivesse lido as citadas obras, certamente seu pensamento seria diferente.
A prova “incontesti” deste meu ponto de vista, é o comentário postado por João Elias, representante da Macro Regional Nordeste do setor jovem, onde o mesmo demonstra a sua preocupação para com a FORMAÇÃO DOS JOVENS ( sinal visível de que os mesmos ainda não amadureceram o suficiente com relação ao conhecimento da estrutura operacional do Cursilho). Vale lembrar que o Cursilho para Jovens tem a mesma estrutura do Cursilho para adultos (vide livro O Cursilho por Dentro-esquema Cursilho 2 dias), portanto, não podem ser diferenciados. É preciso ter cuidado para não confundir o Cursilho de Jovens, com o Encontro de Jovens; ambos são bem distintos, e em nossa diocese existem várias facções na Pastoral da Juventude, e o Movimento de Cursilho tem a sua identidade, Metodologia e carisma próprio.
Em seu comentário João Elias cita o exemplo de estudar o Documento 85 da CNBB, e eu aproveito o ensejo para sugerir que seja incluído no estudo, também o Documento 45, a partir do número 259 e seguintes, que trata da missão dos leigos na Igreja, inclusive dos JOVENS.
Se não houver envolvimento, não existe compromisso, e ninguém ama aquilo que não conhece. Tenho certeza de que a coordenação do GED não se OPÕE a ninguém que venha a somar para o fortalecimento e engrandecimento do Cursilho Jovem de nossa diocese, mas é preciso esclarecer que não se pode permitir invenções e entrada de corpos estranhos dentro do Cursilho, contrariando as determinações hierárquica da instituição. Informamos que o GED tem pleno conhecimento de todas as deliberações promulgadas pelo GEN, incluindo-se as mais recentes quando da realização da última assembléia nacional ocorrida no último mês de novembro, inclusive a aprovação do Novo estatuto, que aliás, ainda não encontra-se em vigor, em virtude do mesmo ainda não ter sido homologado pela CNBB. Obs: todos os materiais encontram-se à disposição na secretaria do GED.
Entendo e compreendo que a falta de tempo é o maior inimigo do jovem que trabalha e cursa a universidade, e as horas que são dispensadas para o estudo da Constituição Federal e do Diploma Legal Pátrio, impede e furta o tempo de se conhecer as obras literárias sobre a nossa Igreja e do Movimento de Cursilhos.
Ilhéus / Bahia, 11 de maio de 2010.
Luis Ocimar Barbosa >>> email : ocimarbarbosa@hotmail.com

11 de maio de 2010 04:57
Ocimar barbosa disse...

Somente hoje tomei conhecimento dos comentários do lindo artigo do Pe. Gil, sobre o aprofundamento para os jovens realizado no dia 21 de abril próximo passado. Diante tão belo texto subscrito pelo estimado sacerdote, deparei-me com o comentário postado pelo jovem Robson Magalhães, onde o mesmo cita o meu nome como ÁSPERO CRÍTICO DESTRUIDOR, segundo as palavras publicadas: ALFINETADA MORDAZ, cujo significado, ou termo “xulo” encontramos facilmente no Aurélio da língua portuguesa. Face ao exposto, valho-me do mesmo direito com que faculta o inciso V do mesmo artigo 5º da Constituição Federal, para usufruir do direito de resposta.
Quero lembrar que mais importante do que o direito de manifestar o pensamento, é o direito da RAZÃO, lembrando que entre tais direitos estão : a sensatez, bom senso, coerência, prudência, e principalmente CONHECIMENTO DOS FATOS E RESPEITO à hierarquia de uma instituição, razão pela qual, permita-me discordar de seu raciocínio. Ressalto ainda, que a exposição por mim apresentada no retro mencionado aprofundamento, foi por solicitação da coordenação do GED, dentro do que pede e propõe o GEN, sendo utilizado os conteúdos do livro O Cursilho por dentro, Fundamentação do Cursilho ( Pré e Pós-Cursilho), Manuel do Coordenador,(elaborado pelo GEN), pasta do Coordenador (elaborado pelo GED), Encarte do livro revisado do Cursilho por Dentro e ainda o Livro Relançamento do Cursilho e Subsídios das Assembléias Regionais 2010. Tenho certeza de que se o jovem tivesse lido as citadas obras, certamente seu pensamento seria diferente.
A prova “incontesti” deste meu ponto de vista, é o comentário postado por João Elias, representante da Macro Regional Nordeste do setor jovem, onde o mesmo demonstra a sua preocupação para com a FORMAÇÃO DOS JOVENS ( sinal visível de que os mesmos ainda não amadureceram o suficiente com relação à dinâmica do Cursilho 2 dias, bem como a estrutura operacional do MCC nas demais etapas : Pré e Pós-Cursilho) o que em outras palavras, o Pe. Gil observara em sua matéria. Vale lembrar que o Cursilho para Jovens tem a mesma estrutura do Cursilho para adultos (vide livro O Cursilho por Dentro-esquema Cursilho 2 dias), portanto, não podem ser diferenciados. É preciso ter cuidado para não confundir o Cursilho de Jovens, com o Encontro de Jovens; ambos são bem distintos, e em nossa diocese existem várias facções na Pastoral da Juventude, e o Movimento de Cursilho tem a sua identidade, Metodologia e carisma próprio.
Em seu comentário João Elias cita o exemplo de estudar o Documento 85 da CNBB, e eu aproveito o ensejo para sugerir que seja incluído no estudo, também o Documento 45, a partir do número 259 e seguintes, que trata da missão dos leigos na Igreja, inclusive dos JOVENS.
Se não houver envolvimento, não existe compromisso, e ninguém ama aquilo que não conhece. Tenho certeza de que a coordenação do GED não se OPÕE a ninguém que venha a somar para o fortalecimento e engrandecimento do Cursilho Jovem de nossa diocese, mas é preciso esclarecer que não se pode permitir invenções e entrada de corpos estranhos dentro do Cursilho, contrariando as determinações hierárquica da instituição. Informamos que o GED tem pleno conhecimento de todas as deliberações promulgadas pelo GEN, incluindo-se as mais recentes quando da realização da última assembléia nacional ocorrida no último mês de novembro, inclusive a aprovação do Novo estatuto, que aliás, ainda não encontra-se em vigor, em virtude do mesmo ainda não ter sido homologado pela CNBB. Obs: todos os materiais encontram-se à disposição na secretaria do GED.
Entendo e compreendo que a falta de tempo é o maior inimigo do jovem que trabalha e cursa a universidade, e as horas que são dispensadas para o estudo da Constituição Federal e do Diploma Legal Pátrio, impede e furta o tempo de se conhecer as obras literárias sobre a nossa Igreja e do Movimento de Cursilhos.
Ilhéus / Bahia, 11 de maio de 2010.
Luis Ocimar Barbosa >>> email : ocimarbarbosa@hotmail.com

11 de maio de 2010 12:10
Robson disse...

interessante a participação de Profª. Marilene. Gostei da abertura que Osvaldo concedeu para que os jovens falassem (não me senti a vontade, mas no momento em que sentir que devo, farei as colocações que achar necessária).
Vale lembrar que pela dificuldade dos jovens participarem da Escola Vivencial, seja estimulado o trabalho de formação dentro dos grupos.
Ressalto que nunca me opus ao Movimento de Cursilhos, mas tenho todo direito de me opor à algumas decisões e espero que isto sempre seja respeitado, como princípio básico das relações humanas e prescrito na Carta Magna do Estado Democrático de Direito chamado Brasil - Artigo 5º, inciso IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;C.F./88.
Robson Magalhães (Dioclinho)"
Colaciono quase que na totalidade o meu texto porque com certeza a verbalização será completamente diferente daquilo está postado neste blog.
É preciso melhorar o processo de formação e venho dizendo isto desde que me disponibilizei a sair candidato a coordenador do grupo Semeadores da Fé, mas diante do estardalhaço criado, resolvi retirar meu nome.
Mas continuo dizendo que é preciso formar e neste quesito, a representação jovem macro regional tem feito muito pouco. Alguns integrantes do GED sempre foram incisivos em dizer que era preciso melhorar a formação, no que eu concordo plenamente, mas querer que eu acredite que Encontro Regional Jovem e Encontro Nacional Jovem, é o máximo para preparação, é subestimar a inteligência de qualquer pessoa.
E repito: quantas reuniões foram promovidas com os jovens cursilhistas para se debater o movimento, no itens tocante especificamente aos jovens?
Porque se existir lista de presença e convocação, nunca foi encaminhado ao meu e-mail, cadastrado pela Secretaria do GED, sobre tenho um elogio - parabenizo a atuação do Secretário - muito embora há algum tempo e acredito que seja por falta de tempo, que não recebo com habitualidade informações acerca do GEN, GER e GED, prova disto é que na novena de São Jorge, não foi encaminhado, pelo menos para alguns cursilhistas jovens, também com e-mail cadastrado, que o domingo da novena seria com a participação do Cursilho para Jovens.
Ao final, quero deixar aqui o meu apelo, de que façamos sempre a leitura compreendendo do contexto e refletindo o que está escrito e não conjeturas que acharem existentes.
Mais uma vez, concordo com o Ocimar que o processo de formação não está somente na Constituição, mas o que seria da Instituição Igreja sem os documentos citados pelo senhor? Se assim o fosse, razão nenhuma restaria ao DIREITO CANÔNICO.
Robson Magalhães (Dioclinho)

12 de maio de 2010 00:02
Robson disse...

Como sempre visito o ótimo blog do MCC-ILhéus/BA, e desta vez deparei-me mais uma vez com a tentativa de deturpar o que eu postei no texto acima. Veja-se:
"Fiquei também muito feliz com o Aprofundamento, muito contente com a apresentação de Ocimar pela técnica, embora tenha achado desnecessário algumas "alfinetadas", mas paciência, cada um se expressa da forma que lhe é cabível e isto deve ser respeitado." Robson Magalhães.
Em momento algum eu desfiro as palavras ditas pelo irmão Ocimar e, diga-se de passagem que a citação supra é o único momento em que cito o referido irmão.
Para que fique mais claro e para que ninguém possa imprimir e usar as partes que desejar, colaciono as palavras de Ocimar:
"Diante tão belo texto subscrito pelo estimado sacerdote, deparei-me com o comentário postado pelo jovem Robson Magalhães, onde o mesmo cita o meu nome como ÁSPERO CRÍTICO DESTRUIDOR, segundo as palavras publicadas: ALFINETADA MORDAZ,(...)" Ocimar Barbosa.
Numa simples leitura, percebe-se que eu não disse nem metade do que o irmão está me atribuindo.
Tentar manipular palavras é mais complicado quando elas estão escritas, gravadas seja num blog, msn, orkut ou qualquer outro meio de comunicação.
Em nenhum momento do meu texto Ocimar, me refiro ao senhor como "algoz" e não compreendo o porque da "raiva".
Espero que relendo o texto, tenha a convicção do que eu disse neste texto, numa tentativa de explicar o que, ao meu ver, não necessita de explicação, pelo motivo do meu texto ser claro, sem agredir moralmente ao senhor.
Quanto á parte de formação, concordo com muito do que o senhor disse. Senão vejamos minhas palavras no primeiro texto:
"Espero de coração que a Coordenação do GED,, verdadeiramente escute mais e procure sempre compreender os jovens antes de tomar as decisões relacionadas aos mesmos e que o Representante jovem (macro regional) (João Elias), possa um dia fazer uma reunião com os jovens do cursilho para nos falar sobre as deliberações de todas viagens que já fez e que o GED, além de ser informado pelo GEN sobre as mesmas, procure também saber do referido representante e repassar as informações aos jovens. Desejo que possamos um dia nos reunirmos e falar sobre os nossos anseios cursilhistas, sobre nossas experiências e também acerca das deliberações do GEN e do GER que por ventura ocorram voltadas para os jovens com o intuito de que o Representante macro regional as transmita e nos retorne as devidas respostas(...)" Robson Magalhães
"Fiquei também muito feliz com o Aprofundamento, muito contente com a apresentação de Ocimar pela técnica, embora tenha achado desnecessário algumas "alfinetadas", mas paciência, cada um se expressa da forma que lhe é cabível e isto deve ser respeitado. Achei

12 de maio de 2010 00:05
Ocimar Barbosa disse...

O meu posicionamento com relação ao comentário postado neste espaço não foi de DETURPAR, mas sim de esclarecer a realidade e veracidade dos fatos, apenas destaquei a única palavra citada, no entanto preocupei-me e tive o cuidado e atenção de ir em busca do seu significado, o que aliás, frisei com bastante ênfase : dicionário Aurélio da língua portuguesa, daí a conclusão da força da palavra, ou ironia, que também poderia ser interpretada e aplicada ao caso propriamente dito, possibilidade essa que prefiro não acreditar. Sei perfeitamente que textualmente não foi dito METADE do que citei no relato, e que vós não tenha tido a intenção da ofensa, mas contra fatos não tem argumento, infelizmente a palavra que foi textualmente empregada, é desagradável para quem é destinada (mas uma vez, vide dicionário Aurélio da língua portuguesa).
Estou plenamente convicto de meu posicionamento e não tenho motivo nenhum para ter “ RAIVA”, mesmo porque, acredito eu, embora talvez não o tenha percebido, creio que ao escrever tal palavra, houve uma certa ingenuidade, o que constituiu numa “ofensa” involuntária e indesejável, motivo esse que não justifica para que eu o condene ou venha a ter mágoas ou rancor. Aceito tranquilamente e respeito o seu ponto de vista e raciocínio, apenas não concordo que se torne público como você o fez. Estou aberto e a disposição para todo e qualquer jovem cursilhista que queira propor e trocar idéias e sugestões sobre o Movimento de Cursilho, além de que o Movimento existe uma direção, onde tem as reuniões mensais e NINGUÉM (com raríssimas exceções) aparece para tratar de assuntos de interesse da Juventude Cursilhista. Pergunto : quando foi que os jovens procurou o GED para ter uma reunião sobre o assunto ? Os grupos existentes no GED tem seus respectivos coordenadores, verdadeiros e autênticos representantes da juventude cursilhista. Eu, pessoalmente, acredito que cabe a essas pessoas fazer ou pelo menos tentar fazer as coisas acontecerem.

12 de maio de 2010 15:52
Ocimar Barbosa disse...

Volto a esclarecer que o Cursilho é um só (adultos e jovens), na sua parte estrutural os GEDs são subordinados apenas ao GER e ao GEN, e não às Macro Regionais (registre-se que as Macro não faz parte da estrutura operacional do MCC). Segundo o nosso patrono, São Paulo Apóstolo, para evangelizar, primeiro é preciso ser evangelizado. Como é do conhecimento de todos, os jovens tem dificuldades (em virtude do trabalho e estudo) de participar das atividades de formação através da Escola Vivencial. O certo é que o GED está e sempre esteve, pelo menos nos últimos dois anos, a total disposição da juventude, no entanto é preciso saber quais são os ANSEIOS, AS PROPOSTAS, AS IDÉIAS que vocês estão pleiteando. Não me foi outorgado poderes para falar pelo GED, mas acredito que a coordenação do GED está aberta para ouvi-los.
É citado no comentário postado que lhe é de direito se opor a algumas decisões do GED, mas esse mesmo direito é concedido ao GED, de pelo menos saber que discordâncias são essas, que até o presente momento não chegou ao conhecimento do GED. Como já frisei, o GED está aberto para ouvi-lo e escutá-lo. Lembro que a missão do Profeta (e nós somos os profetas do século XXI) é de ANUNCIAR E DENUNCIAR, e um dos maiores pecados de nós católicos é a OMISSÃO.
Esclarecemos a juventude cursilhista de nossa diocese, que o GED de Ilhéus, não é o responsável pela realização do Encontro Nacional que será realizado no próximo mês de julho, e nem tampouco foi pelo Encontro Regional de Jovens, realizado no mês de maio de 2008, por isso não devemos ser responsabilizados pela subestimação da inteligência das pessoas, com relação à formação, como foi espelhado no citado comentário, e que não vejo nenhuma procedência ou razão para tal citação.
Hoje tentam responsabilizar o GED pela situação em que se encontra o setor jovem do MCC, o que vale lembrar que esta coordenação tem apenas pouco mais de 01 ano à frente do Movimento. No último dia 10 de maio completou-se 10 anos de Cursilho Jovem; já fizeram cursilho jovem quase 1.000 pessoas, e desde então poucos são os perseverantes, e muito menos são os que possui dentro do Movimento o CARISMA E O EXERCÍCIO DA LIDERANÇA (opção preferencial de captura de candidatos para fazer o cursilho). O que concluímos é que a administração paralela (chamado pelo GEN de “Gedinho”) só atrapalhou o desenvolvimento do movimento jovem.

12 de maio de 2010 15:53
Ocimar Barbosa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ocimar Barbosa disse...

O que concluímos é que a administração paralela (chamado pelo GEN de “Gedinho”) só atrapalhou o desenvolvimento do movimento jovem, em nosso GED, pois não foi obedecido ou seguido as orientações hierárquica do MCC, razão pela qual nos deparamos diante esta situação, e uma delas é a falta de formação, como é admitido pela maioria, se não a totalidade dos jovens. Neste aspecto está incluso também a falta de relacionamento ( para não dizer falta de respeito ) Jovens x GED, e a prova disso, em resposta a novena de São Jorge, é que simplesmente a direção do GED não recebeu nenhum convite ou comunicação para participar da novena. Não sei de quem foi a culpa ou responsabilidade, se foi a Comissão organizadora do evento ou se foi dos JOVENS que não informou a coordenação do GED, portanto, é justo que não sejamos penalizados por tamanha irresponsabilidade ou falta de zelo e cuidado, como queiram.
Concordo plenamente ao apelo com relação ao contexto, mas também alerto para o cuidado que se deve ter quando se torna público o que se escreve, pois cada um é responsável pelo seus atos, principalmente quando se escreve. Cuidado com as palavras, ela também agride, machucam, e as vezes até matam.(geralmente provocam fortes emoções, enfartos, etc.)
Finalmente, fica uma recomendação: como existe a dificuldade (geralmente falta de tempo, dentre outros e diversos motivos) para promover a formação integral dos jovens, esta formação pode-se conseguir de diversas formas, e a mais cômoda é a leitura. Engraçado é que a maioria da juventude gasta horas diante o MSN e outros recursos e opções oferecidas pela rede mundial de computadores, mas não gasta 20 minutos para acessar o site do Cursilho ( www.cursilho.org.br), onde as DETERMINAÇÕES E DELIBERAÇÕES do GEN, são facilmente encontradas, ficamos somente neste exemplo, para afirmar que quando queremos, é possível ter as informações que desejamos, isto sem falar nos livros essenciais para o desenvolvimento do cursilho, dos quais boa parte deles encontra-se à disposição em nossa biblioteca, exceto o de Direito Canônico, mas este eu o tenho, e se precisarem, terei o maior prazer em servi-los.
Um forte abraço a todos.
Ocimar Barbosa >> 12.05.2010.
12 de maio de 2010 15:56

12 de maio de 2010 16:03
MCC - ILHÉUS disse...

O que foi excluido, foi uma postagem de continuidade da postagem acima, como foi postado sem a continuidade devida, eu copiei e repostei com a continuidade correta!!!

12 de maio de 2010 16:18
Robson disse...

Bom, no dicionário Aurélio que eu tenho, não aparece a palavra "ALFINETADA MORDAZ", publicada pelo senhor, mas aparece a palavra "ALFINETADA".
Continuo mantendo os termos citados no primeiro texto. É uma questão de interpretação e felizmente cada um tem a que lhe atende melhor.
Pergunto: quantos aprofundamentos foram realizados especificamente para os jovens? Porque se realizar o aprofundamento para os jovens, justamente num feriado prolongado e não num sábado ou domingo?
É preciso analisar o jovem com o olhar jovem.
Nunca neguei que o GED tenha dado o apoio aos jovens.
Fico impressionado que os representantes macro regionais não devam satisfação ao GED, até porque se eles não fazem parte do operacional do MCC, qual a razão de ser custeado pelo GEN?
Vale ressaltar que a crítica que estou fazendo, algumas pessoas do GED já a fizeram.
Eu só discordo do senhor Ocimar, nos pontos que já elucidei no texto publicado anteriormente e acredito sinceramente que dizer "não necessitava de alfinetadas" não é um termo que magoe, cause extremo transtorno, a não ser que hajam motivos.
Urge salientar mais um vez, de que este discurso de "Gedinho" não é verdadeiro nem nunca o foi, pois, o próprio representante macro regional que à época era responsável pelo setor jovem, nunca tomou decisões isoladas. As mesmas sempre foram referendadas por Jaime que era o Coordenador do GED e quando a Coordenação do GED compreendia que a decisão era equivocada, simplesmente o Setor Jovem não a cumpria. Nunca fomos insubordinados, mas se hoje o Cursilho para jovens tem a razoável participação que tem é por conta do trabalho árduo, com muito amor e dedicação dos jovens que seguraram com firmeza a missão de evangelizar.
Lembro ainda que se compararmos o Cursilho para jovens com quase 1.000 jovens que por aqui passaram, temos uma grande vitória com o pequeno contingente que permanece, inclusive inseridos em suas paróquias, pastoras, coodernações de grupos e trabalhos sociais. O mesmo acontece com o Cursilho para adultos, que salvo engano, está completando 39 anos. Proporcionalmente acredito que os números sejam mais alarmantes.
Quero deixar claro que não recebi nenhum comunicado quanto à novena de São Jorge, somente a citei para exemplificar que antes recebíamos da secretaria do GED diariamente ou semanalmente informações a respeito do Movimento e da Igreja Católica, o que não está sendo feito atualmente.
Concordo que a "alfinetada" pode matar, mas se o objeto contundente concreto for desferido em outra pessoa.
Assim, de minha parte dou o assunto por encerrado, pois, já estou satisfeito com as palavras do irmão Ocimar.
Um grande abraço fraternal a todos irmãos cursilhistas!

Robson Magalhães (Dioclinho)
12 de maio de 2010.

12 de maio de 2010 17:49
Ocimar Barboaa disse...

Também para encerrar o assunto, esclareco ao estimado jovem que a data do 21 de abril escolhida para o aprofundamento, foi decidida num consenso entre as lideranças dos grupos atuantes no GED. Outro fator determinante para a escolha da data, foi a falta de datas para um final de semana, uma vez que todas ja estavam ocupadas com programações do MCC. Lembro ao irmão que a minha pessoa é apenas SECRETÁRIO do GED, não tenho poderes para MANDAR em nada, apenas cumpro aquilo que me é determinado pela coordenação diocesana. Neste sentido, sugiro ao amigo que solicite da coordenação do GED, uma reunião especificamente para tirar suas dúvidas, apresentar suas propostas, enfim, dar a sua contribuição para o MCC jovem.
Quero também lembrar que em nenhum momento desagravei o trabalho desenvolvido quando da instituição do Cursilho Jovem em nossa diocese, muito pelo contrário, mas temos que reconhecer que houve alguns equívocos, a prova disso é que a coordenação paralela foi destituída pelo irmão Jaime. Sabemos perfeitamente que o problema crônico da falta de liderança existe principalmente no Cursilho de adultos (diga-se de passagem que é mais grave do que o cursilho jovem), e a atual coordenação vem desenvolvendo um trabalho justamente para mudar o quadro, tendo inclusive dando oportunidades para as lideranças mais jovens ou outros que nunca tiveram oportunidades.
Com relação as Macro Regionais, elas mantém relações com os GERs, estes por sua vez, é que repassam as informações aos GEDs. Quanto a serem custeadas pelo GEN, acredito eu que seja apenas adotado o critério do bom senso, afinal, estes abnegados colaboradores (João Elias é um deles), não tem a obrigação de arcar tais despesas sozinhos.
Este "embate" pacífico, é claro, gostei muito, me fez lembrar a época dos apóstolos, quando São Pedro e São Paulo tinham atitudes e pensamentos diferenciados, no entanto tinham o mesmo ideal : ANUNCIAR AS PALAVRAS DE JESUS CRISTO. Que assim o façamos também. Um grande abraço para você Dioclynho. Com certeza nos veremos no dia-a-dia eme pró do nosso querido e estimado CURSILHO JOVEM.
SAUDAÇÕES A TODOS EM CRISTO JESUS E HOJE EM ESPECIAL A NOSSA SENHORA DE FÁTIMA, homenageada do dia.
Ocimar Barbosa >>> 13.05.2010

13 de maio de 2010 13:07

Postar um comentário