Seja Bem- Vindo!!

sábado, 26 de junho de 2010

China: Bebê abortado por médicos sobrevive, mas é enviado para ser cremado

Um bebê abortado deliberadamente em hospital, o qual havia sido declarado como morto pelos médicos da cidade de Foshan, China, chorou quando estava para ser cremado, mas morreu mais tarde depois que os médicos se recusaram a tratá-lo.
Um funcionário no necrotério da Funerária Nanhai ficou espantado com um choro vindo de uma caixa, cuja etiqueta dizia “lixo hospitalar”, que ele estava para enfiar no incinerador. Ele abriu a caixa e encontrou o bebê se movimentando, mas se sufocando por causa de um pouco de lã de algodão na boca, noticiou o jornal local Information Times.
Depois que o funcionário limpou-lhe a boca, o bebê bocejou e respirou normalmente. Ele foi levado de volta às pressas ao Hospital Guanyao, que havia tentado abortá-lo no começo daquele dia; mas os médicos do hospital o ignoraram e o deixaram no corredor para morrer.
Ele foi confirmado como morto mais tarde no dia e devolvido à funerária para cremação. No entanto, os funcionários colocaram o corpo num refrigerador até que ocorram mais investigações.
Liu Sanhong, uma autoridade do hospital, disse para o jornal Shanghai Daily que a equipe checou o bebê durante uma hora para se certificar de que ele estava morto. Liu não quis comentar se os médicos haviam tentado salvar ou não a vida do bebê.
Um dos responsáveis pela funerária disse para o Information Times que ele fez um vídeo do bebê, que tinha sete meses de gestação, para provar que ele estava vivo quando foi descoberto no crematório.
Depois disso, a reportagem disse que todos os funcionários na funerária haviam recebido ordem de não falar sobre o incidente.
No começo deste ano, o modo cruel e insensível com que o hospital ligado à Universidade Médica de Jining tratava os corpos de bebês abortados provocou revolta.
Em 31 de março, 21 corpos de bebês foram encontrados jogados fora no rio Guangfu a leste da Cidade de Jining, na China.
Os corpos, alguns com fraldas, alguns em sacos plásticos marcados como “lixo hospitalar”, foram encontrados debaixo de uma ponte por um homem que estava pescando.
Reportagens indicam que a maioria dos bebês mortos era do sexo feminino que haviam sido abandonados para morrer ou haviam sido deliberadamente abortados e jogados fora porque os pais queriam manter a opção aberta para um menino dentro do sistema coercivo de um único filho na China.
Embora organizações de direitos humanos e especialistas internacionais de controle populacional tenham denunciado o aborto de seleção sexual e infanticídio de meninas em grande escala na China, a agência de notícias estatal Xinhua culpou o incidente em “costumes locais e falta de regulamentos”.
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

1 comentários:

cleberslopesjr disse...

Fiquei pensando no que escrever, mas só uma coisa vem em minha mente: absurdo.

Como pode uma sociedade que se diz civilizada aceitar isso?

Como pode um grupo de médicos praticar um ato desses?

Absurdo, absurdo, absurdo...

Mesmo que as investigações provem que os funcionários do crematório estavam errados, o que dizer da atitude dos médicos em deixar a criança no corredor esperando a morte?

E quanto aos 21 corpos de crianças encontradas por um pescador?

Absurdo, absurdo, absurdo...

Não gosto de ler esse tipo de matéria por que me faz mal. Alguma coisa no meu peito se meche. Dá vontade de ir lá e fazer algo, pois certamente esse absurdo irá continuar se ninguém fizer nada.

Nesse momento estou lembrando da mensagem no MCC sobre fazer a minha parte. Aquela do incêndio na floresta, do pássaro com uma gota de água no bico...

Acho importante divulgar noticias como essa, mas temos que lembrar que o verbo amar é ação.

Será que não é isso que Cristo nos pediu quando disse: ”Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”?

O que nós somos se ficamos só postando, lendo, comentando e não fazendo mais nada além disso? Onde está a ação? Onde está o amor?

Nisso temos apenas que tomar cuidado para não confundir ação com reação...

Deixo uma sugestão: sempre que uma notícia como essa for postada, postem também um canal para que possamos escrever mensagens apoiando ou não, reclamando ou não, prestando solidariedade ou não. Quem sabe o e-mail das autoridades chinesas responsáveis pelas investigações? No mínimo podemos encher suas caixas de entrada com mensagens pedindo que uma providência seja tomada.

26 de junho de 2010 21:52

Postar um comentário